Mudanças climáticas podem causar furacões de maior intensidade

2023-09-05
Juan Pablo VentosoPorPublicado porJuan Pablo Ventoso
Mudanças climáticas podem causar furacões de maior intensidade
Furacões como o Idalia, que rapidamente ganharam intensidade no Golfo do México antes de atingirem o continente, poderão tornar-se mais frequentes devido ao impacto das alterações climáticas antropogénicas.



Depois de sete anos com temporadas recordes de furacões, a previsão inicial indicava um 2023 mais calmo. Isto deveu-se principalmente à chegada do El Niño, que provoca um aumento dos ventos de grande altitude, enfraquecendo a atividade dos furacões e o seu potencial de formação.


Mas devido à persistência de temperaturas oceânicas particularmente quentes a nível global, a tendência originalmente esperada inverteu-se. A Flórida registrou temperaturas de até 38°C (101°F) em parte de sua superfície de água.


Essas temperaturas extremas conseguiram compensar o enfraquecimento gerado pelos efeitos do El Niño, fazendo com que os furacões ganhassem maior intensidade neste ano, como nos anteriores. Como consequência, em agosto a agência NOAA aumentou a sua previsão para a temporada para “acima do normal”.


“As águas quentes, tanto na superfície do oceano como abaixo, fornecem o combustível que intensifica as tempestades tropicais e os furacões”, disse Michael Mann, climatologista da Universidade da Pensilvânia. "Isso permite que eles se intensifiquem mais rapidamente e alcancem picos de intensidade mais altos."

Anomalia de temperatura do Atlântico (agosto de 2023) (NOAA)

Anomalia de temperatura do Atlântico (agosto de 2023) (NOAA)


Uma tendência futura

Ainda são necessárias as condições certas para causar a formação de furacões, mas quando ocorrerem, as tempestades que se formarem poderão aproveitar o aquecimento dos oceanos para gerar ventos mais violentos e causar maiores tempestades.


“Você pode pensar nas mudanças climáticas como uma espécie de jogo de dados”, disse Allison Wing, cientista atmosférica da Universidade Estadual da Flórida. “Ainda há uma variedade de resultados possíveis diferentes para qualquer tempestade tropical individual, mas há uma probabilidade maior de ocorrerem essas tempestades de alta intensidade”.

Gráfico de tendências da temperatura da superfície do mar (Atlântico Norte) (NOAA)

Gráfico de tendências da temperatura da superfície do mar (Atlântico Norte) (NOAA)


Além de afectar a intensidade máxima dos furacões, as alterações climáticas também podem aumentar a quantidade de chuva que são capazes de despejar, explicou Andrew Kruczkiewicz, cientista atmosférico e investigador do Instituto Internacional para a Investigação e Sociedade Climática da Universidade de Columbia: “ Quanto mais quente a atmosfera, maior será a capacidade de reter vapor d’água”, disse ele. "Isso pode significar um aumento nas chuvas fortes."


“Não creio que alguém possa continuar a negar o impacto da crise climática”, disse o presidente dos EUA, Joe Biden, numa conferência de imprensa no início desta semana. “Basta olhar ao nosso redor: inundações recordes, secas mais intensas, calor extremo, grandes incêndios florestais causando grandes danos como nunca vimos antes”.


A acrescentar à previsão está o facto de as alterações climáticas também poderem estar a abrandar a velocidade com que os furacões se movem, o que significa que as tempestades podem despejar mais água por onde passam.

Compartilhe este post


Você pode também estar interessado

Deixe-nos um comentário


Este site web utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação. Política de privacidade - OK